quinta-feira, 30 de abril de 2015

Tá-se bem por Ourém 05-VI: O estado do(s) ca(c)os



Quando em 2009 Paulo Fonseca ganhou as eleições para a Câmara Municipal de Ourém entoou pela Avenida da Cidade o Hino Nacional, em plenos pulmões, de forma espontânea, foi apelidado o momento de “segundo 25 de Abril”.
Hoje passaram quase 6 anos dessa abrilada e o momento que vivemos pelo concelho é de tudo menos de liberdade e progresso.
Quando olhamos para trás verificamos que o discurso fluído do Presidente nada tem a ver com a realidade de Ourém, que essa prosa não é acompanhada de modernidade nem de evolução. Ourém é uma terra parada, num marasmo político que mete dó, em circunstâncias vergonhosas para o concelho.
Esquemas, esquemas e mais esquemas…Passamos a citar alguns dos mais recentes:

  1. A Câmara envolve-se estupidamente numa guerra contra o Santuário de Fátima, maior instituição do concelho, e é derrotada em toda a linha nos tribunais;
  2. São roubadas toneladas de lenha no terreno do Carregal, pertencente ao consórcio MaisOurém, e o município reage tarde, a más horas, e apenas porque pressionado pela oposição;
  3. A Câmara continua com cinco milhões investidos na mesma empresa, MaisOurém, sem que esta tenha apresentado contas nem sido devidamente “encerrada”;
  4. Vereadora Lucília Vieira, com uma exploração ilegal (leia-se 8 pavilhões construídos indevidamente), e continua a exercer o pelouro do Urbanismo na Câmara de Ourém, num conflito gritante de interesses;
  5. Paulo Fonseca declarado definitivamente insolvente, podendo vir a perder o mandato antes de 2017, ou na pior das hipóteses, a não se poder voltar a candidatar ao município (ainda bem);
  6. António Gameiro, principal mentor socialista do concelho, “ilustre” deputado Maçon condenado de roubar cliente;

E assim vamos vivendo por Ourém….
Terra refém de escumalha partidária.

4 comentários:

  1. não esquecendo recentemente morador intimidado (pela câmara/fiscais) por divulgar pavilhões ilegais no concelho de Ourém.

    ResponderEliminar